quinta-feira, 1 de julho de 2010

O papel...

Estava só em casa com os pés entrelaçados a mão sustentava a cabeça que tanto pesava naquele momento. Ela tinha feito de tudo na vida, era independente, linda, saia com quem quisesse, se divertia, sentia-se realizada por viver sua vida de acordo com seus princípios, nem sempre tudo era um mar de rosas, mas ela sempre foi muito feliz. Agora estava ali, assustada com seus pensamentos e sentimentos, sentimentos esses que eram voltados para alguém que ela sabia não ser o ideal, estava longe de ser. Lindo, ele era incrivelmente lindo, sem escrúpulos também, isso te importava muito, mas seu coração via-se inteiramente apaixonado por aqueles lindos olhos pretos e por aquele sorriso encantador. Ela fintou com um dos olhos um pedaço de papel, pensou em escrever um samba, tentou apenas escrever uma carta de amor ou de alforria...
Sim, de alforria queria se ver livre daquela agonia. Estava próxima a janela, onde ela jurava que o viu pela primeira vez. De repente o vento soprou mais forte, levando o papel rabiscado pelo seu amor. E ele se foi voando devagarzinho, navegando no céu azul, sem rumo sem destino.

[Pausa]

Tarssio: Sim e agente vai deixar o papelzinho voar mesmo?

Bia: Por que não?

Tarssio: Ninguém sabe o que tem escrito nele e se o tal ser pegar o papel?

Bia: Sim, e se ele gostar também dela?

Tarssio: Por mim agente escreve que ela saiu embaixo da tempestade, desesperadamente, a procura do papel que continha o que ela tinha de pior.

Bia: E porque você acha que era de pior? Era amor o que tinha escrito ali Tarssio, e isso ta longe de ser o pior, mas como ela ainda não é correspondida, deixa o papel voar mesmo, assim pode ser que como o papel, o vento leve pra longe os sentimentos dela.

Tarssio: A senhorita tem sempre razão...

[Restart]

Então o vento foi levando a excreção dos sentimentos dela bem para longe e ele ia desmanchando sob o efeito da água, do tempo. A fragilidade do papel era reflexo da sua própria fragilidade e o papel se desmanchou ...

( Parceria com um amigo, o Tarssio, espero que gostem )

7 comentários:

  1. Adorei não só esse texto, mas os outros posts... todos sucintos e profundos e tristes, como estou hj nessa noite chuvosa na minha Ilha.
    Seguindo vc! Abçs!

    ResponderExcluir
  2. É.. O tempo faz as coisas acabarem.

    ResponderExcluir
  3. O tempo é tão complexo, por mais que ele passe e que as coisas passem para nós, esse mesmo tempo eternizou aqueles momentos em si. Porque em algum lugar do tempo tudo aquilo permanece vivo. Estranho né ? :S - Obrigado a todos ;*

    ResponderExcluir

Deixem aqui seus carinhos :*